Materiais de apoio

Livros

  • Eleonor H. Porter

    Poliana

    Poliana – Narrativa que impressiona leitores do mundo todo pela intemporalidade de temas que fazem de Poliana uma obra eterna e ainda hoje um grande sucesso, pois resgata valores pessoais como bondade, respeito e solidariedade. É a comovente história de Poliana, órfã de pai e mãe, que vive muitas dificuldades mas aprende com o pai, um homem sábio, o ´jogo do contente´, que a fortalece no dia-a-dia. Então o ensina aos outros para transmitir algo bom. A obra desencadeou nos Estados Unidos e no mundo uma impressionante onda de esperança, otimismo, boa vontade e sensibilidade às questões alheias. Uma verdadeira batalha de humanização!

  • Carmen Gil

    Por Que Ficamos Arrepiados?

    Novos livros da série que responde a questões tipicamente infantis Diogo ficou muito curioso quando os pêlos do braço de sua amiga arrepiaram depois do susto que levou de sua irmã. Ele percebeu que esse fenômeno acontecia não somente quando sentiamos medo, mas também quando o tempo ficava mais frio. Um dia ele encontrou o Livro dos Porques e imediatamente procurou saciar sua curiosidade: por que ficamos arrepiados? Ele leu que nossos antepassados tinham mais pêlos no corpo, e com isso sentiam menos frio; hoje, como temos menos pêlos, nossos poros se fecham para que os poucos que nos restam nos aqueçam da mesma forma que nossa antiga capa protetora fazia há milhões de anos.

  • Ted ONeal

    Quando Coisas Ruins Acontecem

    De fato, coisas ruins acontecem. Um mundo infantil feliz e protegido pode abalar-se pelo impacto de uma doença séria ou de um acidente, morte ou divórcio, violência ou desastre natural.

    Nós não podemos proteger as crianças de todas as dores e danos. Mas com este livro, podemos começar a acalmá-las em relação a seus medos, aliviar suas tristezas e ajudá-las a curarem-se. Nós podemos assegurar-lhes que, como os pequenos personagens deste livro, elas serão sempre amadas e cuidadas. Podemos ensinar a elas habilidades para enfrentar grandes mudanças e os desafios da vida.

    E podemos restabelecer a confiança delas na vida, que, apesar das coisas ruins, é boa!

  • Irvin D. Yalom

    Quando Nietzsche Chorou

    Poucas vezes se viu na história da literatura uma obra que traçasse paralelo tão fantástico entre ficção e realidade. Nela o leitor é convidado a participar de uma série de encontros que não aconteceram na vida real, mas que expõe visões filosóficas, discussões sobre psicanálise e sobre as dores da alma.

  • Ana, G.

    Reduzido a Pó

    Neste relato, acompanhamos a trajetória de uma mãe de classe média alta do Rio de Janeiro que descobre que seu filho é viciado em drogas. Dos pequenos furtos em casa a ameaça de morte feita por traficantes, das internações em clínicas de reabilitação à agressividade em casa, das perdas financeiras ao completo desgaste emocional, acompanhamos o sofrimento de uma família atingida pelo problema da dependência química.

  • SANDRA INGERMAN

    Resgate da alma

    Por meio de conhecimentos de culturas ancestrais, o livro mostra métodos de cura para o vazio de quem perdeu o contato com sua alma.

  • Elizabeth Kübler-Ross

    Roda da Vida, A

    “Elisabeth Kübler-Ross é uma mulher extraordinária que, como médica, foi pioneira  na investigação da morte e do morrer, descrevendo os vários estágios da dor que acompanha esse processo e afirmando com esperança: a morte não existe. Em suas comoventes memórias, ela relata sua luta e suas descobertas, ensinado-nos a viver com alegria e compaixão. é com muito entusiasmo que recomendo este livro.” Brian L. Weiss, M.D.

  • Flora Rheta Schreiber

    Sapateiro, O – A Anatomia de um Psicótico

    Em “O Sapateiro” realiza um estudo que, tal como os clássicos sobre o ato criminal (“A Sangue Frio”, de Truman Capote; “Helter Skelter” e “The Executioner’s Song”), é, num determinado nível, uma recriação brilhante a aterrorizadora de um crime que chegou às manchetes: a bizarra história de um homem que embarcou numa onda de roubos, estrupos e, finalmente, assassinato. Contudo, além dessa dolorosa e comovente reconstrução dos acontecimentos, a professora Schreiber conduz-nos numa viagem extraordinária para o interior da mente e da alma de um psicótico.

  • Esther Perel

    Sexo no cativeiro

    Porque o sexo que era tão bom fica sem graça para casais que afirmam se amar tanto quanto no início? Podemos desejar o que já temos? Uma boa intimidade sempre leva ao bom sexo? Em ‘Sexo no cativeiro’, Esther Perel procura responder a essas perguntas que surgem quando a necessidade do amor seguro entra em conflito com a busca pela paixão, convidando seus leitores a explorar a difícil relação que há entre a intimidade doméstica do casal e o seu desejo sexual.

  • Lya Luft

    Silêncio dos Amantes, O

    Um casal supera as dores do passado e encontra um novo caminho bastante singular; a rotina não permite enxergar o drama de quem está ao nosso lado; a mágoa e a revolta explodem numa libertação violenta; o preconceito em relação ao diferente pode ser mortal; a superficialidade impede de viver um verdadeiro amor; a morte revela o valor da vida: todos somos tocados pelo mistério. Com coragem e delicadeza, Lya Luft nos provoca a vermos sob um novo prisma o nosso cotidiano, pressentindo a imprevisibilidade, que o torna mais rico.

  • Elizabeth Kübler-Ross

    Sobre a Morte e o Morrer

    Observar a morte em paz de um ser humano faz-nos lembrar uma estrela cadente. É uma entre milhões de luzes do céu imenso, que cintila ainda por um breve momento para desaparecer para sempre na noite sem fim. Ser terapeuta de um paciente que agoniza é conscientizar-se da singularidade de cada indivíduo neste oceano imenso da humanidade. É uma tomada de consciência de nossa finitude, de nosso limitado período de vida. Poucos dentre nós vivem além dos setenta anos; ainda assim, nesse curto espaço de tempo, muitos dentre nós criam e vivem uma biografia única e nós mesmos tecemos a trama da história humana. Neste livro, transcrevo simplesmente as experiências de meus pacientes que me comunicaram sua agonias, expectativas e frustrações. É de esperar que outros se encorajem a não se afastar dos doentes ‘condenados’, mas a se aproximar mais deles para melhor ajudá-los em seus últimos momentos.

  • Cury , Augusto

    Superando o Cárcere da Emoção

    “Superando o Cárcere da Emoção” é um livro ao mesmo tempo esclarecedor e apaixonante. Nele, o autor nos leva a compreender que a pior prisão do mundo é aquela que aprisiona a emoção e nos impede de ser livres e felizes.

    Diversas doenças, tais como a depressão, a síndrome do pânico, os transtornos obsessivos, as fobias, encarceram a emoção. Entre elas também se encontra a dependência de drogas ou a farmacodependência. Nada afeta tanto a emoção do que gravitar em torno dos efeitos de uma droga. Há milhões de usuários em todo o mundo. Eles são amantes do prazer, mas, sorrateiramente, destroem aquilo que mais os motivam a viver, a liberdade. Quem é prisioneiro no âmago da sua alma, além de perder a liberdade de pensar, faz da sua vida um canteiro de tédio e de angústia.

    Este livro não faz uma descrição sistemática das drogas enquanto substâncias químicas, mas discorre sobre as conseqüências das drogas no complexo funcionamento da mente humana, quais os mecanismos que foram acionados, danificados, e como recuperá-los e o porquê de serem elas as causadoras do mais drástico aprisionamento humano.

  • Diogo Lara

    Temperamento Forte e Bipolaridade: Dominando os Altos e Baixos do Humor

    Foi com muita satisfação que assumi a tarefa de fazer a resenha do livro do colega Diogo Lara, e eu gostaria de começar, como não poderia deixar de ser, pelo título, o qual de forma criativa busca destacar o temperamento forte e suas implicações na bipolaridade, ou seja, nos altos e baixos do humor. Durante os vários capítulos do livro, o autor alinhava, com muita maestria e de forma extremamente didática, os conceitos necessários para que possamos entender como este desenrolar é possível. Rogéria Recondo -Psiquiatra.

  • Nichols, Michael P.; Schwartz, Richard C.

    Terapia Familiar – Conceitos e Métodos

    ‘Utilizamos a edição anterior de Nichols e Schwartz em todos os níveis da disciplina de Terapia Familiar, por ser um texto abrangente, didático e com um conteúdo que equilibra a teoria e a prática. Os autores examinam as diferenças e a singularidade da terapia familiar em comparação com outras formas de tratamento individual e grupal. Estamos entusiasmados por contar com uma edição atualizada dessa importante obra!’ Maria Napoli (Arizona State University)